O que é e o que pode gerar uma gravidez de risco? 14/08/2018 Pitibebê

Estar grávida é mágico! Porém, quando uma mulher sabe que vai ser mamãe, existe o medo de se enfrentar uma gravidez de risco. Saiba o que pode gerar uma!

A gravidez é um momento lindo, mas também gera muitos medos nas mamães, principalmente de primeira viagem. Ouvir falar em “gravidez de risco” promove muita ansiedade para quem tem uma gestação pela frente.

Mas o que significa uma gravidez de risco? Quais são os fatores que determinam que uma gravidez é de mais ou menos risco do que a outra? Para responder a essas questões tão importantes, elaboramos um conteúdo que vai ajudar a todas as mulheres. Continue lendo!

A gravidez de risco

Define-se como gravidez de risco a gestação em que podem haver complicações tanto para a grávida como para o bebê. Esse tipo de gravidez inclui possíveis situações de parto prematuro, atraso de crescimento do bebê e até mesmo o aborto.

O mais comum é que a gravidez de risco se desenvolva em mulheres que apresentam fatores de risco antes mesmo de engravidarem. Entretanto, existem casos em que os problemas surgem durante a gestação.

Principais fatores de uma gravidez de risco

Consumo de álcool, drogas e tabaco

Consumir bebidas alcoólicas, drogas e tabaco durante a gravidez é um risco enorme. Ao ingerir essas substâncias, seja individualmente ou todas elas, o produto atravessa a placenta e afeta diretamente o bebê.

As consequências para o bebê podem ser a má formação do coração e da face, atraso no crescimento e até aborto. No caso da mamãe, dificuldade respiratória e perda da memória são alguns dos problemas.

Pressão alta e pré-eclâmpsia

​Pressão alta é um problema da gravidez de risco que pode ser causada em decorrência do consumo excessivo de sal, má formação da placenta e sedentarismo. O problema aumenta as chances de pré-eclâmpsia (aumento da pressão arterial e perda de proteínas), que pode levar a gestante a ter convulsões, provocar o aborto e, em casos mais graves, a morte do bebê.

Diabetes

A diabetes é outro fator para uma gravidez de risco. O problema pode estar presente na vida da mamãe antes da gestação ou ter surgido apenas no período gestacional. Neste caso, o bebê pode ter excesso de peso, problemas sanguíneos e respiratórios. Além disso, há chances do parto ser dificultado.

Sistema imunológico baixo

A imunidade da gestante já é mais baixa do que a de uma mulher que não esteja grávida. Além disso, se ela é portadora de alguma doença sexualmente transmissível, infecção, listeriose ou toxoplasmose, os riscos da gravidez aumentam. Sem contar que os medicamentos para essas doenças precisam ser avaliados para não prejudicar o bebê.

Peso e altura

Mulheres grávidas muito magras, com o índice de massa corporal (IMC) abaixo de 18.5, apresentam mais chances de ter um parto prematuro, atraso de crescimento do bebê e aborto. O principal motivo é que a mamãe oferece poucos nutrientes ao bebê.

Já as mulheres com excesso de peso, geralmente com IMC acima de 35, apresentam riscos maiores de complicações. E ainda, os bebês podem desenvolver obesidade e diabetes.

Problemas na gravidez anterior

Não é regra, mas uma mulher que teve problemas na gravidez anterior está predisposta a uma gestação de risco. As chances de uma gravidez de risco são maiores para mulheres que já a enfrentaram.

Gravidez múltipla

Quando não é um, mas dois ou mais bebês na gestação, os riscos e cuidados são maiores. Nestes casos, o útero da mamãe tem que se desenvolver mais e os sintomas da gravidez estarão mais presentes.

Uso de remédios

O consumo de qualquer medicamento deve ser avisado imediatamente ao médico. A automedicação é um dos maiores riscos para uma gravidez saudável.

Medicamentos que incluem fenitoina, triamtereno, trimetoprim, estreptomicina, lítio, as tetraciclinas e a varfarina, morfina, anfetaminas, barbitúricos, codeína e fenotiazinas são causadores de muitos problemas.

A idade da gestante

Meninas com menos de 17 anos podem ter uma gravidez de risco. Isso porque os seus corpos ainda não estão totalmente preparados para aguentar a gestação.

Mulheres acima de 35 anos, além de mais dificuldades para engravidar, têm mais chances de ter um bebê com alterações cromossômicas.

Como evitar complicações na gravidez de risco

Se a gravidez de risco já foi diagnosticada, é necessário seguir à risca todas as indicações do médico. Algumas delas são:

  • Ter uma alimentação saudável;
  • Evitar doces e adoçantes artificiais;
  • Evitar frituras;
  • Não consumir bebidas alcoólicas;
  • Não fumar e nem consumir drogas.

Gostou do conteúdo? Muito importante, não é? Aproveite para ler outro conteúdo sobre a saúde da mamãe e do bebê: Descolamento de placenta: o que é, o que causa e porque inspira tantos cuidados.

Categoria: Gravidez
[contact-form-7 id="60" title="Receba Dicas" html_name="dicas-pitibebe"]

Outros textos do blog Pitibebê

Deixe um comentário

O seu email não será publicado. Os campos obrigatórios são identificados.
Todos os comentários do site são moderados previamente. Se o seu comentário ainda não foi publicado, por favor, aguarde.